VINHO BÍBLICO É SUCO DE UVA? - https://adeusheresias.com.br

www.ADEUS HERESIAS.com.br
Site dedicado a pessoas sinceras estudiosas da Bíblia.
Ir para o conteúdo

VINHO BÍBLICO É SUCO DE UVA?

VINHO BÍBLICO É SUCO DE UVA?

Desde os primórdios da humanidade o vinho fermentado já era usado. Veja o caso de Noé um servo conceituado de Deus: "E começou Noé a cultivar a terra e plantou uma vinha.   
Bebeu do vinho, e embriagou-se; e achava-se nu dentro da sua tenda." Gen. 9:20,21 ALA.  Neste caso, vemos claramente que não se tratava de suco de uva.
Veja outros casos:
"E aquele dinheiro darás por tudo o que desejares, por bois, por ovelhas, por vinho, por bebida forte, e por tudo o que te pedir a tua alma; comerás ali perante o Senhor teu Deus, e te regozijarás, tu e a tua casa. Deut.14:26, ALA. Observe que o vinho está associado a bebida "forte", inebriante.

O sábio Rei Salomão foi apreciador moderado do vinho fermentado: " Fiz uma investigação profunda: eu me permiti deliciar-me com vinho, mantendo minha sabedoria todo o tempo; fui ao ponto de abraçar a tolice, para descobrir o que seria melhor os humanos fazerem nos poucos dias de vida que têm debaixo dos céus". Ecl. 2:3.

O primeiro milagre de Jesus será que a água transformada em vinho era "suco de uva"? Repare no relato bíblico: "Faltou vinho e a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho! Este provou a água transformada em vinho, sem saber de onde vinha. Os que serviam estavam sabendo, pois foram eles que tiraram a água. Então o mestre-sala chamou o noivo e disse: Todos servem primeiro o vinho bom e, quando os convidados estão bêbados, servem o pior. Você, porém, guardou o vinho bom até agora. João 2:3,9,10. Trad. Pastoral.

E que dizer na CEIA do Senhor? Serve se suco de Uva ou vinho? De fato, quando se reúnem, o que vocês fazem não é comer a Ceia do Senhor,  porque cada um se apressa em comer a sua própria ceia. E, enquanto um passa fome, outro fica embriagado. Será que vocês não têm suas casas onde comer e beber? 1 Cor. 11:20-22. Trad. Pastoral.

A BÍBLIA CONDENA O USO MODERADO DO VINHO OU EMBRIAGUEZ?
A palavra de Deus é clara:
01- O vinho que alegra o seu coração, o azeite que faz reluzir o seu rosto, e o pão que lhe fortalece o coração. Sal. 104:15.   
02- Vai, come o teu alimento com alegria e bebe o teu vinho com um bom coração, porque o Deus já achou prazer nos teus trabalhos. Ecles 9:7.    
03- Neste monte o Senhor dos Exércitos preparará um farto banquete para todos os povos, um banquete de vinho envelhecido, com carnes suculentas e o melhor vinho. Isaías 25:6.
04- Não continue a beber somente água; tome também um pouco de vinho, por causa do seu estômago e das suas freqüentes enfermidades. 1 Tim. 5:23.
05- O pão é para o riso dos trabalhadores, e o próprio vinho alegra a vida; Ecles. 10:19.
06- Dai bebida inebriante àquele que está para perecer e vinho aos amargurados de alma. Prov. 31:5,6.
07- Nem ladrões, nem gananciosos, nem beberrões, nem injuriadores, nem extorsores herdarão o reino de Deus. 1 Cor. 6:9,10.
08- Jesus apreciava um bom vinho e fazia uso dele publicamente. Mat. 11:19, Luc. 7:34.
09- Nazireu podia fazer uso de bebidas alcoólicas. Núm.  6:1-3,20.
10- Sacerdote do Templo de Jeová podia beber seu vinho após seus serviços sacerdotais. Lev. 10:9.
11- Melquisedeque se alimentava de pão e vinho. Gên. 14:18
12- Salomão se deliciava do vinho. Ecl. 2:3
13- Jeová, na Lei, pedia que o sacerdote derramasse Bebidas Alcoólicas como oferta À ELE. Números 28:7.
14- A nação de Israel estava autorizada a usar o vinho diariamente. Is. 55:1
15- A Nação repatriada de Israel usava o vinho diariamente. Amós 9:14.
16- Até no tempo do fim, Deus reconhece que o vinho faz parte da cesta básica. Apoc. 6:6.
17- A oferta de bebida será de um quarto de um him para cada cordeiro. Derrame a bebida alcoólica no lugar santo como uma oferta de bebida para Jeová. Núm. 28:7
18- E, com o dinheiro, você pode comprar tudo o que você desejar: bois, ovelhas, cabras, vinho e outras bebidas alcoólicas, e tudo que quiser; e você comerá ali perante Jeová, seu Deus, e se alegrará, você e os da sua casa. Deut. 14:26.
19- O pão é feito para dar alegria, *e o vinho torna a vida prazerosa* ; mas o dinheiro atende a todas as necessidades (físicas). Ecl. 10:19

OBSERVAÇÕES SOBRE TROPEÇAR COM BEBIDAS ALCOÓLICAS
Semelhante às outras dádivas divinas o vinho e a bebida "forte" podem causar tropeço aos adoradores de Deus. Prov. 20:1.  Isto acontece não só com bebidas mas tambem com alimentos, sexo, compulsão ao materialismo, etc. Mas, Por que?  Porque todas coisas lícitas que tem um limite (individual) e precisamos exercer fortemente o auto-domínio (Domínio de si).

Quem não tem domínio na bebida é preferível nem usa-la, pois o seria uma pedra de tropeço, assim como as demais facetas que temos de ter auto controle, senão seriamos desabonados por Deus. Prov 20:1b  


TUDO SOBRE BEBIDAS ALCÓLICAS NA BÍBLIA:
Vinho e bebida forte
Há diversos termos das línguas originais que geralmente designam alguma espécie de vinho (hebr.: ti·róhsh [Gên 27:28, 37; Os 2:8, 9, 22]; hebr.: hhé·mer [De 32:14; Is 27:2], e o correspondente termo aramaico, hhamár [Da 5:1, 2, 4, 23]; bem como gr.: gleú·kos [At 2:13]). Mas a palavra hebraica yá·yin é encontrada com mais freqüência nas Escrituras. Ocorre primeiro em Gênesis 9:20-24, onde se faz referência a Noé plantar um vinhedo, depois do Dilúvio, e então ficar embriagado com o vinho resultante. A palavra grega oí·nos (que corresponde basicamente ao termo hebraico yá·yin) ocorre pela primeira vez nos comentários de Jesus sobre não ser aconselhável usar odres velhos para vinho novo, parcialmente fermentado, uma vez que a pressão acumulada por meio da fermentação faria com que os odres velhos se rompessem. Mt 9:17; Mr 2:22; Lu 5:37, 38.

Diversas bebidas alcoólicas fortes, pelo visto derivadas de romãs, tâmaras, figos, e outros frutos semelhantes, eram geralmente chamadas pelo termo hebraico she·khár. (Núm 28:7; De 14:26; Sal 69:12) A palavra hebraica ʽa·sís, em O Cântico de Salomão 8:2, refere-se ao “suco fresco de romãs”, mas, em outras passagens, o contexto indica o vinho. (Is 49:26; Jl 1:5) A cerveja pode ter sido designada pela palavra hebraica só·veʼ. — Is 1:22; Na 1:10.

Vinificação. Na Palestina, as uvas eram colhidas durante agosto e setembro, dependendo do tipo de uva e do clima da região. A vindima já tinha praticamente terminado na ocasião em que se celebrava a “festividade das barracas”, no início do outono setentrional. (De 16:13) As uvas, depois de colhidas, eram colocadas em tanques, ou tinas, de calcário, nos quais os homens geralmente as esmagavam com pés descalços, cantando ao pisarem o lagar. (Is 16:10; Je 25:30; 48:33) Com tais métodos comparativamente brandos de esmagamento, os raminhos e as sementes não se rompiam, de modo que pouco do ácido tânico das cascas era espremido; isto, por sua vez, contribuía para um vinho de alta qualidade, com paladar suave e macio. (Cân 7:9) Às vezes, empregavam-se pedras pesadas, em vez de os pés.
O primeiro “mosto”, ou sumo fresco, que flui das cascas rompidas das uvas, se mantido à parte do volume maior do sumo extraído sob pressão, resulta nos vinhos mais ricos e melhores. A fermentação começa dentro de seis horas após a maceração, enquanto o sumo ainda se acha nos tanques, e lentamente se processa por um período de vários meses. O teor alcoólico dos vinhos naturais varia de 8 a 16 por cento do volume, mas pode ser aumentado pela adição posterior de álcool. Se as uvas tiverem pouco teor de açúcar, e a fermentação levar tempo demais, ou se o vinho não for devidamente protegido contra a oxidação, transforma-se em ácido acético, ou vinagre. — Ru 2:14.

No período de envelhecimento, o vinho era conservado em jarras ou odres. (Je 13:12) Estes recipientes dispunham provavelmente de respiradouro para permitir a saída do dióxido de carbono (subproduto do desdobramento dos açúcares em álcool através da fermentação), sem que o oxigênio do ar entrasse em contato com o vinho, produzindo uma reação no vinho. (Jó 32:19) À medida que se deixavam os vinhos descansar, eles gradualmente se clarificavam, as borras precipitavam-se no fundo, havendo o melhoramento do buquê e do sabor. (Lu 5:39) Depois disso, os vinhos eram geralmente transferidos para outros receptáculos. — Is 25:6; Je 48:11; veja BORRA.

Usos. Desde tempos imemoriais, o vinho tem sido usado como bebida às refeições. (Gên 27:25; Ec 9:7) O vinho, o pão e outros alimentos são freqüentemente mencionados juntos. (1Sa 16:20; Cân 5:1; Is 22:13; 55:1) Melquisedeque colocou “pão e vinho” diante de Abraão. (Gên 14:18-20) Jesus bebia vinho às refeições, quando estava disponível. (Mt 11:19; Lu 7:34) O vinho era parte integrante de banquetes (Est 1:7; 5:6; 7:2, 7, 8), de festas de casamento (Jo 2:2, 3, 9, 10; 4:46) e de outras ocasiões festivas (1Cr 12:39, 40; Jó 1:13, 18). Os armazéns reais eram abastecidos de vinho (1Cr 27:27; 2Cr 11:11); era a bebida costumeira de reis e de governadores. (Ne 2:1; 5:15, 18; Da 1:5, 8, 16) Os viajantes muitas vezes o incluíam nas suas provisões para viagem.  Jos 9:4, 13; Jz 19:19.

Seu amplo uso tornava o vinho um item de intercâmbio comercial (Ne 13:15), “o vinho de Helbom” (preferido pelos reis da Pérsia) e “o vinho do Líbano” sendo especialmente famosos. (Ez 27:18; Os 14:7) O vinho era um meio de se pagar os operários que trabalhavam em fornecer madeira para a edificação do templo. (2Cr 2:8-10, 15) Era considerado excelente presente para dar aos superiores (1Sa 25:18; 2Sa 16:1, 2), e estava incluído no dízimo contribuído para sustentar os sacerdotes e os levitas. (De 18:3, 4; 2Cr 31:4, 5; Ne 10:37, 39; 13:5, 12) E o vinho se achava entre as coisas seletas oferecidas a Jeová na adoração sacrificial prestada a Ele. Êx. 29:38, 40; Le 23:13; Núm 15:5, 7, 10; 28:14; 1Sa 1:24; 10:3; Os 9:4.

De início, o vinho não fazia parte da refeição da Páscoa, mas foi acrescentado mais tarde, talvez depois da volta do exílio babilônico. Por conseguinte, estava na mesa quando Jesus celebrou a Páscoa pela última vez com seus apóstolos, e foi convenientemente utilizado por ele em instituir a Comemoração de sua morte. O vermelho “sangue das uvas” constituía uma representação apropriada do sangue sacrificial do próprio Jesus. Naquela ocasião, Jesus mencionou esse vinho como ‘este produto da videira’, e visto que talvez já se tivessem passado sete meses depois da colheita das uvas ali, não pode haver dúvida de que era o sumo fermentado da vinha. Gên 49:11; Mt 26:18, 27-29.

Conforme indicado por Jesus, e relatado pelo médico Lucas, o vinho tinha certo valor medicinal como antisséptico e desinfetante brando. (Lu 10:34) A Bíblia também o recomenda como remédio curativo nos casos de certos distúrbios gástricos. Paulo aconselhou a Timóteo: “Não bebas mais água, mas usa de um pouco de vinho por causa do teu estômago e dos teus freqüentes casos de doença.” (1Ti 5:23)

Tratava-se de uma abalizada recomendação médica. O Dr. Salvatore P. Lucia, professor de medicina da Faculdade de Medicina da Universidade da Califórnia, escreve: “O vinho é a mais antiga bebida dietética e o mais importante agente medicinal em uso contínuo na história da humanidade. . . . Em realidade, poucas substâncias disponíveis ao homem têm sido tão amplamente recomendadas pelos seus poderes curativos como os vinhos.” — Wine as Food and Medicine (Vinho Como Alimento e Remédio), 1954, p. 5; veja DOENÇAS E TRATAMENTO.

Ao contrário das opiniões errôneas de alguns, as bebidas alcoólicas não constituem estimulantes para a mente, mas são na realidade sedativos e depressores do sistema nervoso central. “Dai bebida inebriante àquele que está para perecer e vinho aos amargurados de alma”, não como estimulante mental para tornar tais pessoas ainda mais cônscias da sua condição lastimável, mas, antes, como diz o provérbio, para que ‘esqueçam suas desgraças’. (Pr 31:6, 7) Entre os romanos havia um costume antigo de dar vinho com tóxicos aos criminosos, a fim de amainar a dor da execução. Talvez fosse por isso que os soldados romanos ofereceram a Jesus vinho drogado quando o pregaram na estaca. — Mr 15:23.

É evidente que o vinho é uma das dádivas incluídas entre as bênçãos de Jeová para a humanidade. O vinho “alegra o coração do homem mortal”, faz o coração ‘sentir-se bem’. (Sal 104:15; Est 1:10; 2Sa 13:28; Ec 2:3; 10:19; Za 10:7) Assim, quando Daniel pranteava, não bebia vinho. (Da 10:2, 3)
Abundante suprimento de vinho, simbolizado pela “videira” na muito repetida expressão, de ‘cada um sentar-se debaixo de sua própria videira e de sua própria figueira’, indica prosperidade e segurança sob a administração justa de Jeová. (1Rs 4:25; 2Rs 18:31; Is 36:16; Miq 4:4; Za 3:10) O vinho também está incluído nas bênçãos de restauração prometidas por Jeová. — Jl 3:18; Am 9:13, 14; Za 9:17.

Uso Moderado. A moderação em todas as coisas é um princípio bíblico. Nem mesmo o mel é exceção — com moderação é bom; comer demais é prejudicial. (Pr 25:27) O mesmo se dá com as dádivas do vinho e da bebida forte, provenientes de Jeová; têm de ser usadas conforme Ele orienta. O abuso delas e a desconsideração para com os princípios bíblicos no uso de tais provisões resultam na desaprovação de Jeová, e levam à devassidão e à morte. A Bíblia é muito taxativa sobre isto, tanto em seus preceitos como em seus exemplos.  Pr 23:29-31;

Talvez haja casos em que a ingestão de álcool, mesmo em pequenas doses, seja pouco aconselhável e seja prejudicial para a saúde. Em outras ocasiões, a pessoa talvez se refreie de ingerir uma bebida inebriante para evitar fazer outros tropeçar, e por amor e consideração para com outros. Rom. 14:21.

Jeová proibiu aos sacerdotes e aos levitas, quando estivessem em serviço no tabernáculo ou no templo, tomarem álcool, em qualquer forma, sob pena de morte. (Le 10:8, 9; Ez 44:21) Fora do serviço, estavam livres para beber com moderação. (1Cr 9:29) Da mesma forma, era um regulamento divino que o nazireu não tomasse nenhuma bebida alcoólica enquanto durasse este voto especial. (Núm 6:2-4, 13-20; Am 2:12)
Visto que Sansão havia de ser nazireu de nascença, sua mãe não tinha permissão de tocar em vinho ou em bebidas alcoólicas durante a gravidez. (Jz 13:4, 5, 7, 14) Ao oficiarem, “não é para os reis beber vinho ou para os dignitários dizer: ‘Onde está a bebida inebriante?’”, a fim de que não “se esqueça o decretado, e não se perverta a causa de qualquer filho de tribulação”. (Pr 31:4, 5) Os superintendentes da congregação cristã não devem ser ‘brigões bêbedos’, e os servos ministeriais “devem igualmente ser sérios, . . . não dados a muito vinho”. — 1Ti 3:3, 8.

Representativo. A antiga Babilônia, quando atuava como executora da parte de Jeová, fez com que todas as nações ficassem ‘embriagadas de vinho’, o que era simbólico do furor de Jeová contra as nações. (Je 51:7) Também em outros textos representam-se os oponentes de Jeová como sendo obrigados a beber a justa indignação de Deus, comparada a “vinho [que] está espumando”, “vinho de furor”, “vinho da ira de Deus”. (Sal 75:8; Je 25:15; Re 14:10; 16:19) Uma poção amarga que não tem nenhuma relação com a ira divina é o “vinho da fornicação [espiritual] dela” que “Babilônia, a Grande”, faz todas as nações beber. — Apoc. 14:8; 17:2; 18:3, 13.


QUESTIONAMENTO DE TEÓLOGOS SOBRE A BEBIDA ALCOÓLICA
Na história de Israel, a fermentação e a levedura , significava corrupção e pecado , por isso nas festas que havia em Israel era proibido qualquer tipo de fermentação ou levedura dentro de suas casas , pois significava corrupção e pecado , pois é errado dizer que JESUS bebeu vinho fermentado ou com levendura , pois na Escritura sagrada diz que o corpo e o sangue de CRISTO não viu e não conheceu corrupção , pois então seria heresia dizer que JESUS bebeu vinho fermentado ou com álcool , mas sim vinho bom , que significa vinho sem fermentação , vinho doce , porque a fermentação faz diluir o açúcar da uva e o transforma em etanol , pois havia um processo para se fabricar esse vinho.
RESPOSTA
NEM SEMPRE FERMENTO TINHA CONOTAÇÃO MÁ:
Podia-se usar fermento relacionado com ofertas de agradecimento de participação em comum, nas quais o ofertante voluntariamente fazia a apresentação no espírito de gratidão pelas muitas bênçãos de Jeová. A refeição devia ser alegre; normalmente consumia-se pão levedado em ocasiões felizes. Junto com a carne (isto é, o animal) oferecida, e os pães não fermentados, o ofertante trazia bolos de forma anular, de pão levedado, os quais não eram colocados no altar, mas eram consumidos por ele e pelo sacerdote oficiante. — Le 7:11-15.
Na apresentação das primícias da colheita do trigo, no dia de Pentecostes, o sumo sacerdote movia diante de Jeová dois pães fermentados de trigo. (Le 23:15-21)

JESUS disse-lhes ainda outra ilustração: “O reino dos céus é semelhante ao fermento que certa mulher tomou e escondeu em três grandes medidas de farinha, até que a massa inteira ficou levedada.” Mat. 13:33
ENTÃO, VOCÊ ACHA QUE O REINO DOS CÉUS É COISA PECAMINOSA?

JESUS TAMBÉM CONSUMIU PÃES FERMENTADOS, E BEBIDAS FERMENTADAS.
É claro que ocasiões que o fermento simbolizava pecado, então NÃO se consumia ALIMENTOS FERMENTADOS. Em outras comemorações podia consumir os alimentos fermentados sem cometer pecado. DEUS autoriza seus servos usarem bebidas alcoólicas Deut. 14:24-26.

LEIS SECULARES E AS BEBIDAS ALCOÓLICAS
Alguns indivíduos raciocinam no seu coração: Se Deus não me proibe beber, quem são as autoridades seculares para me proibir beber e executar algumas atividades que possam causar danos e a até a morte de outros?
A Bíblia coerentemente com as autoridades, avisa também que o cristão que faz uso de bebidas alcoólicas mesmo dentre do limite individual, deveria entender que qualquer fração de alcool no sangue, tira o refrexo de todos. Prov. 23:29-35.

Portanto, ninguém que fizer uso de bebidas inebriantes, não terá desculpas a Deus se desobedecer normas seculares ou divinas caso ocorrer acidentes fatais ou graves, no transito, atividades perigosas ou até mesmo nos seus lares, pois de Deus não se mofa, e fatalmente bêbados não herdarão o Reino de Deus. Prov. 20:1, 1 Cor. 6:9,10.
Deus não se agrada de quem não tem domínio de si em qualquer faceta do cristão.
Finalizando, isto se aplica até mesmo em doenças que o indivíduo faz uso de receitas médicas de remédios controlados para a sua saude.  


A INOCÊNCIA DOS INIMIGOS DO VINHO
I- O USO DO ALCOOL NA BÍBLIA
E, com o dinheiro, você pode comprar tudo o que você desejar: bois, ovelhas, cabras, vinho e outras bebidas alcoólicas, e tudo que quiser; e você comerá ali perante Jeová, seu Deus, e se alegrará, você e os da sua casa. Deut. 14:26.
O vinho “alegra o coração do homem mortal”, faz o coração ‘sentir-se bem’. Sal 104:15; Est 1:10; 2Sa 13:28; Ec 2:3; 10:19; Za 10:7.
Dai bebida inebriante àquele que está para perecer e vinho aos amargurados de alma. Prov. 31:5,6.

MORAL DOS RELATOS BIBLICOS
DEUS AUTORIZA O USO MODERADO DO ÁLCOOL.
DEUS ADVERTE O PERIGO DO USO INDEVIDO DO ÁLCOOL. Prov. 20:1

II-FESTA DE CASAMENTO CRISTÃO
Maria, JESUS e seus discípulos foram convidados para um Festa de casamento de Cristãos.
Numa certa altura da festa o VINHO [Fermentado] acabou.
Jesus ficou sabendo disso e a pedido de Maria fez seu primeiro milagre após o seu batismo.
Transformou 400 litros de água  em VINHO para suprir o VINHO fornecedo pelo noivo.
O VINHO do noivo nunca foi suco de uvas, pois o diretor da festa disse que primeiro serviu se o vinho ruim...e depois de todos embriagados serviu- se o VINHO BOM. .João 2:1-12

MORAL DO RELATO BIBLICO
A FESTA ERA DE CRISTÃOS
O VINHO DA FESTA NÃO ERA SUCO DE UVA
JESUS NÃO FEZ ÁGUA SE TRANSFORMAR EM SUCO DE UVA.
JOÃO 2:1-12

III- CEIA DO SENHOR
Quando vocês se reúnem, não é realmente para tomar a Ceia do Senhor. Pois, na hora de tomá-la, vocês comem primeiro o seu próprio jantar, de modo que um está com fome, mas outro está embriagado. Será que vocês não têm casa para comer e beber? Ou desprezam a congregação de Deus e fazem aqueles que não têm nada se sentir envergonhados?
1 Cor 11:20-22.

MORAL DO RELATO BIBLICO
NA CEIA DO SENHOR O VINHO SERVIDO NÃO É  SUCO DE UVA.
O VINHO QUE OS ESCOLHIDOS BEBIAM  EM CASA NÃO  ERA SUCO DE UVA.

IV- OFERTAS Á DEUS
A oferta de bebida será de um quarto de um him para cada cordeiro. Derrame a bebida alcóolica no lugar santo como uma oferta de bebida para Jeová. Núm. 28:7

MORAL DO RELATO BIBLICO
DEUS ACEITA OFERTAS DE BEBIDAS ALCÓOLICAS A ELE.

V- O ALCOOL NA ETERNIDADE
Neste monte, Jeová dos exércitos fará para todos os povos Um banquete de pratos excelentes, Um banquete de vinhos finos, De pratos excelentes, cheios de tutano, De vinhos finos, filtrados.   Neste monte ele eliminará o véu que envolve todos os povos, A cobertura que está sobre todas as nações.   Ele acabará com a morte para sempre, E o Soberano Senhor Jeová enxugará as lágrimas de todo rosto. Ele tirará de toda a terra a humilhação de seu povo, Pois o próprio Jeová falou isso. Isaías 25:6-8.

MORAL DO RELATO BIBLICO
DEUS NÃO PERMITIU O USO DO ALCÓOLICAS.
ELE NOS DEU A BEBIDA FERMENTADA
ELA CONTINUARÁ A SER USADA POR TODA ETERNIDADE.

CONCLUSÃO
Afirmar que o vinho bíblico é suco de uva é como afirmar que a cerveja dos israelitas e vizinhos era chá de cevada. Isaías 1:22; Naum 1:10; Oséias 4:18.
Não adianta manobras, Jeová não condena o uso moderado de bebidas ALCOÓLICAS. Deut. 14:24-26. Também não adianta afirmarem que Bebidas alcoólicas é do Diabo. Veja que O próprio Deus pedia oferta de Bebida ALCOÓLICAS À ELE no seu ALTAR. "(Números 28:7) A oferta de bebida será de um quarto de um him para cada cordeiro. Derrame a bebida alcoólica no lugar santo como uma oferta de bebida para Jeová.



MATÉRIAS ADICIONAIS



Voltar para o conteúdo