TRANSPLANTE DE ÓRGÃO: POR QUE FOI TAXADO DE "CANIBALISMO"? - https://adeusheresias.com.br

www.ADEUS HERESIAS.com.br
Site dedicado a pessoas sinceras estudiosas da Bíblia.
Ir para o conteúdo

TRANSPLANTE DE ÓRGÃO: POR QUE FOI TAXADO DE "CANIBALISMO"?

É inegável o feito do 1 cientista da medicina de transplantar o primeiro coração humano. Isto ocorreu em 12/1967. Veja: " O coração de uma pessoa morta palpitou pela primeira vez no peito de outro humano às 5h25 de 3 de dezembro de 1967, na África do Sul. A operação foi realizada no hospital Grote-Schuur, na Cidade do Cabo pelo chefe de equipe e professor  sul-africano Christiaan Barnard, então com 44 anos de idade."

Mas Waskansky faleceu 18 dias depois da cirurgia histórica, em consequência de uma infecção pulmonar. A luta dos médicos para combater a rejeição do organismo reduziu muito o sistema imunológico do paciente. Contudo, seu coração estava funcionando normalmente até sua morte.

Mas quem se responsabilizará pelas diversas mortes dos transplantados já que na época não havia medicamentos imunossupressores adequados?   Quem se responsabilizará pelas diversas mortes de pessoas que se utilizaram os imunossupressores  e faleceram pela invasão de corpos estranhos no organismo de pessoas que utilizam tais medicamentos e transfusões de sangue?

Graças a uma longa pesquisa durante anos, em 1980 aprimorou se os medicamentos imunossupressores beneficiando a muitos.

À princípio  as Testemunhas de Jeová em 1967/1968, consideravam os transplantes de um órgão, como corpo estranho em seu organismo pelo fato das rejeições, até taxando-os de "canibalismo" , pois a maioria dos transplantados morria posteriormente.

Após a ciência aprimorar as técnicas dos transplantes, imunossupressores e examinando melhor à base da bíblia, observou se que não havia o porque os cristãos desaprovar, desde  que no transplante não se utilizasse sangue.  A medicina moderna já tem toda tecnologia sem sangue, com aprovação ANVISA.

Infelizmente a medicina rudimentar continua a usar transfusões sanguíneas em cirurgias cardíacas e em outras, com alto índice comprovado de mortalidade e morbidade, mesmo sabendo que as cirurgias totalmente sem sangue são mais confiáveis e seguras.

MATÉRIA ADICIONAL
 
 
Voltar para o conteúdo