1914 - PROFECIAS DE EZEQUIEL APONTAM PARA ESTE ANO? - https://adeusheresias.com.br

www.ADEUS HERESIAS.com.br
Site dedicado a pessoas sinceras estudiosas da Bíblia.
Ir para o conteúdo

1914 - PROFECIAS DE EZEQUIEL APONTAM PARA ESTE ANO?

QUANDO JERUSALÉM FOI DESTRUÍDA?
Além de predizer como Jerusalém seria destruída, Ezequiel também encenou quando isso ia acontecer. Jeová mandou Ezequiel deitar sobre o seu lado esquerdo por 390 dias e sobre o seu lado direito por 40 dias. Cada dia representava um ano. (Leia Ezequiel 4:4-6; Núm. 14:34)
É provável que Ezequiel tenha feito essa encenação apenas durante parte do dia. Ela indicaria o ano exato da destruição de Jerusalém. Os 390 dias se referiam aos 390 anos que Israel pecou. Tudo indica que esse período começou em 997 a.C., quando o reino das 12 tribos se dividiu em duas partes. (1 Reis 12:12-20)
Já os 40 dias tinham a ver com os 40 anos que Judá pecou. Esse período começou em 647 a.C., ano em que o profeta Jeremias começou a proclamar, sem meias palavras, a mensagem de que o reino de Judá seria destruído. (Jer. 1:1, 2, 17-19; 19:3, 4)

Dessa forma, os dois períodos terminariam em 607 a.C., ano em que Jerusalém foi conquistada e destruída, assim como Jeová tinha predito.
Quando recebeu a profecia dos 390 dias e dos 40 dias, Ezequiel provavelmente não conseguiu saber o ano exato da destruição de Jerusalém. Mesmo assim, nos anos antes da destruição, ele vez após vez avisou aos judeus que o julgamento de Jeová estava chegando. Ele proclamava: “Agora chegou o seu fim.” (Leia Ezequiel 7:3, 5-10.) Ao dar esses avisos, Ezequiel não tinha a menor dúvida de que Jeová cumpriria Sua palavra exatamente na hora marcada. (Isa. 46:10) O profeta também falou sobre as coisas que aconteceriam antes da destruição de Jerusalém: “Virá um desastre após outro.” Esses acontecimentos abalariam a nação em todos os sentidos: religioso, governamental e social. — Eze. 7:11-13, 25-27.

Alguns anos depois de Ezequiel ter falado sobre a destruição de Jerusalém, a profecia começou a se cumprir. Em 609 a.C., Ezequiel ficou sabendo que o ataque contra Jerusalém tinha começado. Naquela ocasião, a trombeta foi tocada, chamando o povo para defender sua cidade. Mas “ninguém” foi “à batalha”, assim como Ezequiel tinha predito. (Eze. 7:14)

Os habitantes de Jerusalém não defenderam sua cidade contra os invasores babilônios. Alguns judeus talvez tenham pensado que Jeová ia salvá-los. Ele tinha feito isso quando os assírios ameaçaram conquistar Jerusalém, e um anjo destruiu a maior parte do exército. (2 Reis 19:32)
Mas, desta vez, nenhum anjo veio ajudar. Não demorou muito e a cidade cercada parecia uma “panela no fogo”. Os habitantes estavam presos como “pedaços de carne” dentro da panela. (Eze. 24:1-10) Depois de um cerco de 18 meses e de muito sofrimento, Jerusalém foi destruída.

EZEQUIEL PROFETIZOU O ANO 1914?
“Um broto tenro” se torna “um cedro majestoso”
Por volta de 612 a.C., Ezequiel recebeu “a palavra de Jeová”. A profecia que Ezequiel registrou explica como vai ser o governo do Messias e mostra a importância de confiar no Reino dele. Mas Jeová disse para Ezequiel começar a profecia contando um enigma para os exilados. Esse enigma mostrava a falta de fé dos reis de Judá e enfatizava a necessidade de um governante justo, o Messias. — Eze. 17:1, 2.

Leia Ezequiel 17:3-10. O enigma era assim: Uma “grande águia” arranca o “broto mais alto” de uma árvore de cedro e o planta “numa cidade de comerciantes”. Então a águia pega “uma semente da terra” e a planta num campo fértil “à beira de muitas águas”. A semente brota e se torna uma grande videira. Daí aparece uma segunda “grande águia”. As raízes da videira, querendo ser levadas para outro campo bem regado, crescem em direção à segunda águia. Jeová condena a videira, dizendo que suas raízes vão ser arrancadas e que ela vai “secar completamente”.

O que o enigma significava? (Leia Ezequiel 17:11-15.) Em 617 a.C., o rei de Babilônia, Nabucodonosor (a primeira “grande águia”), cercou Jerusalém. Ele arrancou o rei de Judá, Joaquim (o “broto mais alto”), do trono e o levou para Babilônia (a “cidade de comerciantes”). Nabucodonosor colocou Zedequias (“uma semente da terra”, ou seja, alguém da descendência real de Davi) para governar Jerusalém. Zedequias foi obrigado a jurar em nome de Jeová que se submeteria a Nabucodonosor. (2 Crô. 36:13) Mas Zedequias não cumpriu seu juramento: ele se rebelou contra Babilônia e pediu ajuda militar ao Faraó do Egito (a segunda “grande águia”). Mas isso foi em vão. Por Zedequias ter sido desleal e não ter cumprido seu juramento, Jeová o condenou. (Eze. 17:16-21) Por fim, Zedequias foi tirado do trono e acabou morrendo na prisão em Babilônia. — Jer. 52:6-11.

O que aprendemos desse enigma? Primeiro, como servos de Jeová, precisamos cumprir nossa palavra. Jesus disse: “Que a sua palavra ‘sim’ signifique sim, e o seu ‘não’, não.” (Mat. 5:37) Pode haver situações em que seja necessário jurar dizer a verdade em nome de Deus, como, por exemplo, num tribunal. Para nós, um juramento assim é algo sério. Segundo, temos que tomar cuidado para não confiar nas pessoas erradas. A Bíblia diz: “Não confiem nos príncipes nem nos filhos dos homens, que não podem trazer salvação.” — Sal. 146:3.

Mas existe um governante que merece nossa total confiança. Depois de contar o enigma sobre o broto que foi plantado, Jeová usa a mesma linguagem poética para falar sobre o futuro governante, o Messias.

O que a profecia diz? (Leia Ezequiel 17:22-24.) Agora quem vai tomar ação não são grandes águias, mas o próprio Jeová. Ele vai tirar um broto “do topo do alto cedro” e plantá-lo “num monte alto e elevado”. Esse broto vai crescer e se tornar “um cedro majestoso”, e vai servir de abrigo para “aves de todo tipo”. Daí “todas as árvores do campo” vão saber que foi o próprio Jeová que fez essa árvore majestosa crescer.

Como a profecia se cumpre? Jeová ‘tirou’ seu Filho, Jesus Cristo, da família real de Davi (o “alto cedro”) e o plantou no monte Sião (um “monte alto e elevado”). (Sal. 2:6; Jer. 23:5; Apo. 14:1) Assim, apesar de Jesus ter sido considerado pelos inimigos “o mais humilde [ou insignificante] dos homens”, Jeová lhe deu uma posição elevada, “o trono de Davi, seu pai”. (Dan. 4:17; Luc. 1:32, 33) Lá do céu o Messias, Jesus Cristo, vai reinar sobre toda a Terra e abençoar todos os humanos. Debaixo do governo de Jesus, todos os humanos obedientes vão morar em segurança na Terra, “sem temer nenhuma calamidade”. (Pro. 1:33) Realmente, esse é um governante que merece nossa confiança!

O que aprendemos dessa profecia? Essa emocionante profecia do “broto tenro” que se torna “um cedro majestoso” nos ajuda a responder à seguinte pergunta importante: Em quem nós confiamos? Seria uma perda de tempo confiar nos governos humanos e na sua força militar. Para termos verdadeira segurança, precisamos confiar plenamente no Rei e Messias, Jesus Cristo. O governo dele é a única esperança da humanidade. — Apo. 11:15.

“Aquele que tem o direito legal”
O que Ezequiel entendeu da explicação que Jeová deu do enigma sobre as duas águias? Ele entendeu que Zedequias (um rei infiel da família real de Davi) perderia o trono e seria levado para o cativeiro em Babilônia. Talvez Ezequiel tenha se perguntado: ‘Será que Jeová abandonou o pacto que fez com Davi, de que um rei de sua família reinaria para sempre?’ (2 Sam. 7:12, 16) Se ele pensou isso, a resposta não demorou a chegar. No sétimo ano do exílio, por volta de 611 a.C., quando Zedequias ainda governava Judá, Ezequiel recebeu a “palavra de Jeová”. (Eze. 20:2)
Por meio de Ezequiel, Jeová fez outra profecia sobre o Messias, e ela deixava claro que Deus não tinha abandonado seu pacto com Davi. Pelo contrário, a profecia indicava que o Messias teria o direito legal de governar por ser descendente de Davi.

O que a profecia diz? (Leia Ezequiel 21:25-27.) Por meio de Ezequiel, Jeová se dirige de forma bem direta ao perverso governante de Israel: a punição dele tinha chegado. Jeová diz que aquele governante cruel ia perder o “turbante” e a “coroa” (símbolos de poder). Daí, governos que tinham sido ‘rebaixados’ ganhariam poder, e governos que tinham sido ‘enaltecidos’ seriam rebaixados. Até quando esses governos que ganharam poder iriam governar? Até que Jeová desse o Reino para “aquele que tem o direito legal”.

Como a profecia se cumpre? O “enaltecido” reino de Judá foi rebaixado quando os babilônios destruíram Jerusalém em 607 a.C. e levaram o rei Zedequias para o exílio. Com isso, nenhum rei da família real de Davi ficou governando em Jerusalém. Foi então que os ‘rebaixados’ governos gentios foram ‘enaltecidos’. Começou um período dominado pelos governos das nações, mas isso só seria por um tempo. Os Tempos dos Gentios, ou “tempos determinados das nações”, terminaram em 1914, quando Jesus começou a reinar. (Luc. 21:24) Por ser descendente de Davi, Jesus tinha de fato “o direito legal” de ser o Rei do Reino de Deus. (Gên. 49:10) Dessa forma, por meio de Jesus, Jeová cumpriu a promessa que tinha feito a Davi: um descendente de Davi seria rei para sempre. — Luc. 1:32, 33.

O que aprendemos dessa profecia? Podemos ter total confiança no Rei, Jesus Cristo. Para chegar ao poder, os governos humanos talvez sejam eleitos por outros humanos ou tomem o poder à força. Mas Jesus foi escolhido pelo próprio Jeová, e ele tem o direito legal de ser o Rei do Reino. (Dan. 7:13, 14) É por isso que esse Rei merece nossa total confiança!
“Meu servo Davi” se tornará “seu pastor”

Jeová, o Pastor Supremo, se importa muito com suas ovelhas, seus servos aqui na Terra. (Sal. 100:3) Quando Jeová coloca pastores humanos para cuidar de seu povo, ele observa de perto como eles tratam suas ovelhas. Imagine, então, como ele deve ter se sentido por causa do que os líderes de Israel estavam fazendo nos dias de Ezequiel. Aqueles “pastores de Israel” abusavam da sua autoridade e governavam com “dureza e tirania”. Isso só trouxe sofrimento para as ovelhas, e muitas abandonaram a adoração pura. — Eze. 34:1-6.

O que Jeová ia fazer? Ele disse para aqueles governantes cruéis de Israel que ia exigir deles “uma prestação de contas”. Ele também prometeu que ia “salvar [suas] ovelhas”. (Eze. 34:10) Jeová sempre cumpre sua palavra. (Jos. 21:45) Em 607 a.C., ele resgatou suas ovelhas quando usou o exército de Babilônia para arrancar do poder aqueles pastores egoístas. Além disso, 70 anos depois, ele resgatou suas ovelhas de Babilônia e as levou de volta para Jerusalém para que o povo restabelecesse a adoração verdadeira. Mas as ovelhas de Jeová ainda estavam desprotegidas, já que continuariam a ser governadas pelas nações. “Os tempos determinados das nações” ainda durariam centenas de anos. — Luc. 21:24.

Jeová, o Pastor Supremo, se preocupa muito com a felicidade eterna de suas ovelhas. Vemos isso na profecia que ele inspirou Ezequiel a transmitir lá em 606 a.C. Isso foi cerca de um ano depois da destruição de Jerusalém e décadas antes de os israelitas serem libertados do exílio em Babilônia. A profecia mostra como o Rei prometido vai cuidar das ovelhas de Jeová.

O que a profecia diz? (Leia Ezequiel 34:22-24.) Jeová vai colocar sobre suas ovelhas “um só pastor”, a quem ele chama de “meu servo Davi”. As palavras “um só pastor” junto com a palavra “servo” usada no singular dão a entender que esse Governante seria o único a ocupar o trono de Davi para sempre. O governo não voltaria a ser uma sucessão de reis da família de Davi. Esse Rei e Pastor vai cuidar das ovelhas de Deus e se tornar “um maioral [ou governante] entre elas”. Jeová vai fazer “um pacto de paz” com suas ovelhas. “Haverá chuvas de bênçãos” sobre elas; elas vão viver em segurança e ter uma vida maravilhosa, sem lhes faltar nada. A paz vai reinar não somente entre os humanos, mas também entre os humanos e os animais! — Eze. 34:25-28.

Como a profecia se cumpre? Ao dizer “meu servo Davi”, Deus indicou que esse Governante seria Jesus, o descendente de Davi que tem o direito legal para governar. (Sal. 89:35, 36) Quando esteve na Terra, Jesus provou que é “o bom pastor” ao dar sua vida “pelas ovelhas”. (João 10:14, 15) Mas agora ele serve como Pastor no céu. (Heb. 13:20)
Em 1914, quando Jesus se tornou Rei, Deus deu a ele a responsabilidade de pastorear e alimentar Suas ovelhas na Terra. Logo depois disso, em 1919, Jesus designou o “escravo fiel e prudente” para alimentar os “domésticos” — os servos leais de Deus, tanto os ungidos como os das outras ovelhas. (Mat. 24:45-47) Sob a orientação de Cristo, o escravo fiel tem alimentado muito bem as ovelhas de Deus. Esse alimento as ajuda a desenvolver qualidades que contribuem para a paz e a união no paraíso espiritual.

O que as palavras de Ezequiel sobre “um pacto de paz” e sobre “chuvas de bênçãos” significam para o futuro? No novo mundo, os adoradores de Jeová na Terra vão receber as bênçãos do “pacto de paz”. No Paraíso literal, os humanos fiéis nunca mais vão se sentir ameaçados por guerra, crime, fome, doença ou animais selvagens. (Isa. 11:6-9; 35:5, 6; 65:21-23) As ovelhas de Deus vão viver para sempre no Paraíso aqui na Terra “em segurança, sem que ninguém as faça ter medo”. Você não fica animado só de pensar que pode estar lá também? — Eze. 34:28.

O que aprendemos dessa profecia? Igual ao seu Pai, Jesus se importa muito com as ovelhas. Como Pastor e Rei, Jesus faz de tudo para que as ovelhas de seu Pai sejam bem alimentadas e para que tenham paz e união no paraíso espiritual. Como é bom saber que estamos sendo cuidados por um Governante assim! Os que cuidam das ovelhas de Jeová hoje precisam imitar o cuidado que Jesus tem por elas. Os anciãos precisam cuidar do rebanho “de boa vontade”, “com entusiasmo”, e ser bons exemplos para as ovelhas. (1 Ped. 5:2, 3) Um ancião jamais vai querer maltratar uma ovelha de Jeová! Lembre-se das palavras de Jeová para os pastores cruéis dos dias de Ezequiel: “Exigirei . . . uma prestação de contas.” (Eze. 34:10) Jeová e Jesus estão bem atentos a como as ovelhas são tratadas.

"Davi, meu servo, será seu maioral para sempre”
Jeová quer que seus adoradores sirvam a ele em união. Numa profecia sobre restauração, Deus prometeu que seu povo voltaria a ser uma só nação. Dessa forma, pessoas do reino de Judá (de duas tribos) e do reino de Israel (de dez tribos) voltariam a ser “uma só nação”, como se dois “bastões” se tornassem “um só” na mão de Deus. (Eze. 37:15-23)
Essa profecia se cumpriu quando Deus reuniu novamente a nação de Israel na Terra Prometida em 537 a.C. Mas essa união era só um pequeno exemplo de uma união ainda maior que ia acontecer. Depois de prometer que Israel voltaria a ser uma nação unida, Jeová deu a Ezequiel uma profecia sobre como o futuro Rei uniria os verdadeiros adoradores na Terra inteira para sempre.

O que a profecia diz? (Leia Ezequiel 37:24-28.) Jeová mais uma vez se refere ao Rei e Messias como “meu servo Davi”, “um só pastor” e “maioral”. Só que agora Jeová também o chama de “rei”. (Eze. 37:22)
Como vai ser o governo desse Rei? Seu governo será eterno. As palavras “para sempre” e “eterno” sugerem que as bênçãos do governo desse Rei nunca vão acabar. Uma característica marcante do Reino dele será a união. Debaixo desse “um só rei”, as pessoas vão seguir as mesmas “decisões judiciais” e “morarão na terra” juntas. Seu governo fará com que as pessoas tenham uma forte amizade com Deus. Jeová vai fazer “um pacto de paz” com elas; ele vai ser o seu Deus, e elas serão o seu povo. E o santuário de Deus ficará “no meio deles para sempre”.

Como a profecia se cumpre? Em 1919, os fiéis ungidos foram reunidos debaixo de seu “um só pastor”, o Rei e Messias, Jesus Cristo. Mais tarde, “uma grande multidão” de “todas as nações, tribos, povos e línguas” se uniu aos ungidos. (Apo. 7:9)
Juntos, eles se tornaram “um só rebanho, com um só pastor”. (João 10:16) Tanto os ungidos como os das outras ovelhas obedecem às orientações de Jeová. O resultado disso é que eles vivem no paraíso espiritual como uma só família mundial unida. Jeová os abençoa com paz, e o santuário Dele, que representa a adoração pura, está no meio deles. Jeová é o seu Deus, e eles têm orgulho de adorar a Ele agora e para sempre!

CRONOLOGIA BÍBLICA PELAS PROFECIAS DE EZEQUIEL
CAPÍTULOS 1 A 3
Em 613 a.C., Ezequiel estava exilado com outros judeus em Babilônia. Ele recebeu visões de Jeová e foi escolhido para profetizar aos judeus que moravam perto do rio Quebar.
CAPÍTULOS 4 A 24
Entre 613 a.C. e 609 a.C., Ezequiel transmitiu mensagens proféticas que falavam principalmente da condenação de Jerusalém e de seu povo rebelde e idólatra.
CAPÍTULOS 25 A 32
A partir de 609 a.C., quando Babilônia cercou Jerusalém pela última vez, as mensagens de julgamento de Ezequiel passaram a ser contra as nações inimigas ao redor de Israel: Amom, Edom, Egito, Filístia, Moabe, Sídon e Tiro.
CAPÍTULOS 33 A 48
A partir de 606 a.C., Ezequiel passou a falar de uma emocionante mensagem de esperança: a restauração da adoração pura. Ele fez isso apesar de Jerusalém e seu templo estarem em ruínas, a centenas de quilômetros de distância de onde o profeta estava.

Em geral, o livro de Ezequiel está organizado por ordem de acontecimentos e por assunto. As profecias sobre a destruição de Jerusalém e seu templo vêm antes da maioria das profecias sobre a restauração da adoração pura. Isso faz sentido; tem mais lógica falar sobre a restauração da adoração pura depois de falar do fim da adoração no templo.

Além disso, no livro de Ezequiel, as profecias contra as nações inimigas ao redor de Israel (capítulos 25 a 32) aparecem depois das mensagens de julgamento contra Jerusalém e antes das profecias sobre a restauração da adoração pura. Falando sobre as mensagens de julgamento de Ezequiel contra as nações, um estudioso disse: “Elas formam uma boa transição entre a mensagem da ira de Deus contra Seu povo e Sua misericórdia para com eles, porque a punição dos inimigos em si faz parte da libertação do Seu povo.”
Voltar ao capítulo 1, parágrafo 18


CONCLUSÃO Não adianta negar 1914 na Bíblia: EXISTEM 30 MEIOS BÍBLICOS DE SE CHEGAR A 1914.  PROFECIAS DIFERENTES, TEXTOS DIFERENTES,  CÁLCULOS DIFERENTES!

MATÉRIA ADICIONAL










Voltar para o conteúdo